Notícias

Uma empresa sempre à frente do seu tempo

Postado dia 29/06/2015

Você sabe a hora certa de trocar o filtro de óleo e ar do seu carro?

Você sabe a hora certa de trocar o filtro de óleo e ar do seu carro?

Filtro de óleo - Conforme previsto no manual do seu carro, a troca de óleo é recomendada a cada 15.000 Km. Entretanto, é aconselhável sua substituição a cada 7.500 km caso o veículo seja utilizado numa das seguintes condições: reboques, estradas lamacentas, arenosas ou poeirentas, trajetos curtos inferiores a 8 Km, motor que roda frequentemente em marcha lenta ou em distâncias longas com baixa velocidade (ex.: táxi, veículos de entrega de porta em porta ou veículo de patrulha)”. O filtro antigo, se não for substituído, pode ficar saturado, não cumprindo a sua função principal, de retenção de partículas nocivas ao sistema de lubrificação do motor.

 

Filtro de ar - O filtro de ar deve seguir as mesmas recomendações citadas acima, além de uma inspeção do elemento filtrante a cada 500 Km que, caso se encontre muito sujo, deverá ser substituído antes do prazo especificado na manutenção.  É importante lembrar que não se deve limpar o filtro com jato de ar, já que esta ação pode forçar a penetração de impurezas para a parte interna do elemento filtrante, piorando a sua condição de uso, fazendo com que o motor passe a aspirar impurezas que podem danificá-lo.

 

 Além dessas recomendações, é sempre importante ficar atento às orientações das revisões do veículo no manual do carro.

Continue Lendo

Postado dia 26/06/2015

29 PERGUNTAS IMPORTANTÍSSIMAS PARA ENTENDER MELHOR SOBRE OS SEUS PNEUS

29 PERGUNTAS IMPORTANTÍSSIMAS PARA ENTENDER MELHOR SOBRE OS SEUS PNEUS

AS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES RESPONDIDAS DE FORMA CLARA E OBJETIVA

1. O que o desgaste irregular dos pneus pode indicar sobre a suspensão e outros componentes do carro?
- O desgaste irregular dos pneus, pode indicar uma possível irregularidade na geometria do veículo, indicando um possível desalinhamento dos conjuntos.

2. Quando devo trocar os pneus?
- Imediatamente caso ocorra o surgimento de bolhas nas laterais, muitas vezes ocasionadas por avarias acidentais e quando atingir o TWI, caso o pneu não apresente nenhum outro tipo de anomalia como desgaste irregular. Sugerimos que sempre um técnico especializado Pirelli faça a análise sobre a necessidade ou não da troca dos pneus.

3. Existe manutenção para pneus? Quais?
- Sim. A principal dela, e que deve ser observada semanalmente é a calibragem. Rodar com os pneus calibrados resulta em mais segurança e melhor desempenho do veículo, inclusive economia de combustível. Além da calibragem, o proprietário deve verificar e providenciar o balanceamento e alinhamento dos pneus a cada 10.000 km, de forma a eliminar vibrações e desgastes irregulares, preservando assim a vida útil do pneu.

29 Perguntas importantíssimas para entender melhor sobre os seus pneus

4. Quais as diferenças entre reformados, recauchutados, remold, ressulcados e usados?
- Reformados/Recauchutados: é quando se substitui a banda de rodagem de um pneu Truck já desgastada, por uma nova, mantendo a originalidade das laterais dos pneus, mantendo assim suas marcações e a sua identidade.
- Remold: substituição feita de lado a lado de um pneu Truck, alterando as características do produto, como marca do pneu, código de carga e índice de velocidade. Neste caso o pneu perde a sua identidade original. Importante salientar que possíveis danos no produto, avarias, marcação Inmetro, DOT, são perdidos nessa substituição e o usuário acaba utilizando um produto sem nenhum histórico.
- Ressulcados: utilizando o mesmo pneu gasto, é feito um aprofundamento em cima do próprio desenho, tentando prolongar a primeira vida do pneu, alguns pneus são projetados para essa vida útil extra, como por exemplo pneus de Caminhões.

5. Vale a pena o uso de um desses tipos?
- Devido a perda do histórico dos pneus Remold este é o menos recomendado, sendo que os pneus Reformados e Ressulcados são bem mais utilizados, uma vez que o produto Truck já é projetado para essa finalidade. No caso dos pneus de passeio (CAR), nenhum dos processos é recomendado.

6. O que posso fazer para o pneu durar mais?
- Realizar a calibragem do pneu semanalmente e com o pneu ainda frio. Realizar a manutenção regular do veículo, mantendo sempre sua geometria correta, realizando o balanceamento do conjunto pneu + roda e o alinhamento do veículo a cada 10.000 km, são atitudes que irão manter as condições normais de utilização, sem potencializar o seu desgaste.

7. O que devo fazer quando aparecem bolhas, cortes, furos e afins nos pneus?
- Levar o pneu até um especialista o mais rapidamente possível, para uma análise detalhada da avaria e avaliação sobre a possibilidade ou não de reparo. Caso não seja possível reparar o pneu, o mesmo deve ser substituído imediatamente.

8. Os procedimentos são os mesmos para problemas diferentes (bolhas ou furos) ou para cada problema, uma solução?
- O pneu deve ser levado até um especialista e os procedimentos a serem tomados deverão ser determinados por ele, de acordo com o estado do pneu avaliado.

9. Como escolher o pneu adequado?
- O pneu a ser escolhido deve ter exatamente a mesma especificação com a qual o veículo saiu da fábrica. A especificação do pneu indica a medida (dimensão do pneu), o Índice de Carga e o Código de Velocidade, as quais deverão ser as mesmas do pneu original do veículo.

10. Se eu tenho dinheiro apenas para trocar dois, troco os da frente ou os da traseira?
- O ideal é a substituição simultânea de 4 pneus, por pneus novos. No entanto, quando é possível substituir somente dois pneus, estes devem ser idênticos entre sí, sendo aconselhável colocá-los no eixo traseiro, remanejando os pneus traseiros para o eixo dianteiro, desde que estes ainda estejam em condições de utilização.

11. Posso comprar um pneu de marca diferente dos que estão no carro? Compromete alguma coisa?
- Sim, desde que os 4 pneus sejam idênticos. Caso sejam misturados pneus de marcas / desenhos diferentes, o carro poderá apresentar alterações de comportamento como: tendência direcional tanto no piso seco com no piso molhado, frenagem irregular e desgaste irregular dos pneus.

12. Posso usar pneus de medidas idênticas, mas com desenhos diferentes? Há riscos?
- Não é o recomendado, pois poderão apresentar alterações de comportamento no veículo como: tendência direcional tanto no piso seco com no piso molhado, frenagem irregular e desgaste irregular dos pneus. Caso seja uma opção do consumidor / motorista, colocar pneus de desenhos diferentes mesmo que estes sejam colocados no mesmo eixo de aplicação, os efeitos acima ainda estarão sujeitos a acontecer.

13. Posso utilizar pneus maiores ou menores do que os recomendados? Há riscos?
- Caso o consumidor / proprietário do veículo, opte por colocar uma medida diferente da medida original com a qual o veículo foi fabricado / projetado, ocasionará mudanças sensíveis no comportamento do veículo que vão desde diferenças no velocímetro, perda de conforto, tempo de resposta em manobras, rumor, performance em frenagem, interferências no veículo, excesso de esforço em outros componentes do veículo, etc. Neste caso, o consumidor deverá ainda colocar pneus que sejam equivalentes aos pneus originais quanto ao índice de carga e código de velocidade, que devem ser iguais ou superiores aos do pneu original do carro.

14. Por que há diferenças de preços entre as principais marcas de pneus?
- Apesar das matérias primas serem basicamente as mesmas, cada fabricante possui seus processos individuais de fabricação que impactam, entre outras variáveis, no custo de cada produto. Existe ainda o posicionamento de preço que cada fabricante decide praticar no mercado.

15. Troquei as rodas e os pneus e, agora, estão raspando na lataria. Por quê?
- Normalmente esta situação está associada a alteração das dimensões do conjunto original do veículo, ou seja, foram colocadas rodas ou pneus que, por estarem fora das dimensões originais, ocasionaram esta interferência. Outra situação é a troca por rodas com offset diferente daquelas originais e que, quando aplicadas no veículo, ocasionam este problema.

16. Como combinar medidas de rodas com pneus?
- Cada medida de pneu, de acordo com suas dimensões, deverá ser combinada com uma roda de dimensões corretas para aquela medida de pneu. Tanto o fabricante dos pneus, como o fabricante das rodas deverão ser consultados a fim de estabelecer ambas as dimensões.

17. Quais os principais sintomas de que algo não está bem com os pneus? Um lado gastando mais do que o outro? Volante puxando? Borracha cantando?
- Existem varias indicações visuais de que algo possa não estar bem com os pneus como por exemplo: Desgaste irregular, excesso de rumor, perda de pressão, bolhas nas laterais, ressecamento excessivo da borracha, etc.

18. Qual a importância da calibragem?
- Manter a calibragem correta dos pneus é importantíssimo. A calibragem possui papel fundamental na conservação e durabilidade dos pneus pois, caso sejam utilizados com a calibragem inadequada, poderão ocorrer problemas como desgastes irregulares que diminuem sua vida útil, excesso de aquecimento e consequente degradação dos compostos de borracha, aumento do consumo de combustível do veículo, possibilidade de detalonamento (pneu desencaixando da roda), tendência direcional do veículo, entre outros.

19. Qual o período certo entre uma e outra calibragem?
- Aconselhamos que a calibragem seja feita uma vez por semana e com os pneus ainda frios. Com o pneu frio fica certificada a correta pressão aplicada nos pneus, bem como a periodicidade semanal permite, além da confirmação da manutenção da pressão correta, identificar rapidamente se existe algum problema que possa estar ocasionando qualquer perda de pressão.

20. Qual a pressão certa?
- Devem ser obedecidas as pressões estipuladas pelo fabricante do veículo. O usuário deve estar bem atento à possíveis variações de pressão estipuladas pelo fabricante entre os eixos dianteiros e traseiros, bem como para o veículo com carga ou sem carga.

21. O que ocorre com pneu com baixa pressão?
- O pneu com baixa pressão provoca, entre outros problemas, o desgaste irregular mais acentuado na região dos ombros do pneu, aumento do consumo de combustível do veículo, perigo de detalonamento (pneu desencaixa da roda), aumento excessivo de temperatura com consequente degradação dos compostos de borracha, etc.

22. Ou com pressão alta?
- O pneu com pressão muito alta provoca, entre outros problemas, o desgaste irregular mais acentuado ao centro da banda de rodagem, perda de conforto, possível perda de performance nas frenagens, aumento do trabalho da suspensão do veículo, etc.

23. Qual a importância do rodizio?
- O rodizio visa a possibilidade de que os 4 pneus se desgastem por igual. É importante salientar que, caso o usuário opte por fazer o rodízio, seja também realizado o balanceamento dos conjuntos (pneus + rodas) bem como o alinhamento do veículo.

24. Por que tem gente que diz que rodízio é bobagem?
- A decisão de fazer ou não o rodizio cabe ao proprietário / usuário do veículo.

25. O que é e quando é necessário fazer balanceamento?
- Tanto a roda como o pneu possuem pontos de desiquilíbrios de peso, ou seja, pode ocorrer que o conjunto pneu + roda apresente uma concentração de peso em determinado ponto, o que poderia acarretar vibrações no volante e no veículo. O balanceamento tem como objetivo anular este efeito, compensando este desiquilíbrio através da aplicação de um contra peso, equivalente ao peso concentrado, no lado oposto desta concentração de peso do conjunto. Recomendamos que o balanceamento seja realizado a cada 10.000 Km.

26. O que é e quando é necessário fazer alinhamento?
- O alinhamento visa corrigir a geometria do veículo, ou seja, garante que as rodas estejam corretamente posicionadas como ângulo de apoio do pneu no chão, que estejam alinhadas entre os eixos dianteiros e traseiros e entre os lados direito e esquerdo do veículo. Recomendamos que o alinhamento seja realizado a cada 10.000 Km.

27. Quais os cuidados que devo ter com o estepe (E que todo mundo esquece)?
- O proprietário deve verificar regularmente o estado do estepe do veículo, assim como recomendado para os pneus que estão na rodagem. Deve garantir que esteja em perfeito estado de conservação e calibragem. Caso o fabricante do veículo estipule pressões diferentes para o eixo dianteiro e traseiro e/ou com carga ou sem carga, recomendasse a calibragem do estepe com a maior pressão entre aquelas estipuladas pelo fabricante.

28. O que acontece quando os pneus do carro estão murchos?
- O pneu com baixa pressão provoca, entre outros problemas, o desgaste irregular mais acentuado na região dos ombros do pneu, aumento do consumo de combustível do veículo, perigo de detalonamento (pneu desencaixa da roda), aumento excessivo de temperatura com consequente degradação dos compostos de borracha, etc.

29. Pretinho só embeleza ou conserva o pneu?
- Como fabricante de pneus, não podemos afirmar qualquer tipo de efeito nos nossos produtos, decorrente da aplicação ou não, de qualquer produto deste gênero disponível no mercado.

Fonte: Carros Uol.

Continue Lendo

Postado dia 25/06/2015

Alinhamento 3D reduz o desgaste de pneus e suspensão

Alinhamento 3D reduz o desgaste de pneus e suspensão

A geometria da suspensão é um fator extremamente relevante, pois corresponde às medidas corretas para a distância entre eixos e ângulos de inclinação das rodas estabelecidos na fase de desenvolvimento do projeto do veículo. A manutenção dessas dimensões é popularmente chamada de alinhamento de Direção ou Rodas.

Um veículo que não estiver com as especificações da suspensão em conformidade com o que determina o fabricante estará sujeito a sofrer arrasto dos pneus em curva, desequilíbrio das forças que atuam no veículo quando em movimento e desgaste prematuro dos componentes da suspensão e pneus, ocasionado pela má distribuição de cargas sobre os eixos.

Para realizar esta verificação de conformidade e posteriores correções foram desenvolvidos equipamentos de Alinhamento 3D como este que podemos observar no vídeo gravado pelo Canal da Peça na Pneus Douglas, que você assiste no final deste post.

Este processo tem início com a colocação do veículo sobre uma plataforma de testes, que dá acesso a parte de baixo do carro. As rodas são mantidas sobre trilhos que permitem a movimentação durante o alinhamento.

Uma vez na plataforma, as rodas são posicionadas sobre apoios giratórios que dão condição de realizar a leitura do cáster. Sensores de reflexão de sinais são presos aos aros das rodas. Estes equipamentos se comunicam com um computador que faz a leitura do alinhamento e que tem, em sua CPU, um banco de dados com as dimensões do veículo.

Com as informações selecionadas no banco de dados, o equipamento de alinhamento realiza as leituras da geometria da suspensão e mostra os desvios na tela do CPU, por meio de ilustrações.

Para que a verificação seja a mais precisa possível, o equipamento de alinhamento leva em consideração o desgaste e a calibragem dos pneus. É por este motivo que, no vídeo, os pneus recebem nitrogênio, o que elimina problemas existentes na calibração comum.

A seguir, é possível observar os alinhamentos de convergência, câmber e cáster.

Por fim, é importante ficar atento às dicas levantadas pelo mecânico Reginaldo, para entender como essas correções são feitas e em quais pontos são realizados os ajustes necessários para que a geometria correta seja restabelecida.

Continue Lendo

|6|7|8|9|10|

Lojas

Av. Almirante Adalberto Barros Nunes Nº 2896 - Belmonte - Volta Redonda - (24) 3346-7377
Av. Sérgio Braga nº 509/521, Ponte Alta - Volta Redonda - (24) 3342-2028  |  (24) 3342-0406
Av. Paulo Erlei Abrantes nº 8500 - Três Poços - Volta Redonda - (24) 3340-2150